Polícia encontra cabeça na praça da Sé, centro de SP

Possível ligação com o corpo esquartejado em Higienópolis será apurada

Cabeça foi encontrada por morador de rua nesta quinta-feira.

Cabeça foi encontrada por morador de rua nesta quinta-feira.

A polícia encontrou, nesta quinta-feira (27), uma cabeça — que seria de um homem — na região da praça da Sé, centro de São Paulo. Ela estava dentro de uma sacola de plástico, localizada inicialmente por um morador de rua, que avisou a Guarda Civil Metropolitana da região. Ela estaria em estado avançado de decomposição.

Ainda não é possível afirmar se a cabeça é parte do corpo encontrado esquartejado em Higienópolis, bairro nobre da capital paulista, no último domingo (23). Itagiba Franco, delegado do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), foi até a praça da Sé nesta tarde, junto com a equipe de perícia da Polícia Civil.

— Está confirmado [que encontraram uma cabeça]. Vamos realizar a perícia e ver se se trata do mesmo corpo. Pode ter relação [com o esquartejado de Higienópolis].

Por volta das 9h deste domingo, um morador de rua, que vasculhava o lixo na esquina das ruas Sergipe e Sabará, encontrou as primeiras partes do corpo. Duas pernas, cortadas abaixo do joelho, e dois braços estavam dentro de um saco preto. As pontas dos dedos das mãos foram decepadas, de acordo com a polícia, a fim de dificultar a identificação digital. O morador chamou um comerciante local, que pediu ajuda para policiais militares que faziam uma ronda na área.

Às 12h30, o tronco, que estava envolto em um vestido vermelho, foi localizado, também em sacos de lixo, dentro de um “carrinho de feira” entre as ruas Mato Grosso e José Eusébio, junto ao Cemitério da Consolação. A pele havia sido retirada, possivelmente para evitar o reconhecimento de tatuagens. Dentro do saco, havia um par de sapatos masculinos.

Pouco depois, na rua da Consolação, também próximo ao cemitério, foi localizado o terceiro saco. Dentro dele, estavam as coxas envoltas em plástico, amarrados com durex e fita crepe. Nos três sacos, havia pelos e cabelos, que foram encaminhados ao Instituto de Criminalística.

A polícia já fez o retrato falado do homem suspeito de deixar os sacos plásticos com as partes do corpo. Ele foi confeccionado a partir das imagens do suspeito que os investigadores conseguiram por meio de câmeras da polícia, comércio e prédios da região onde as partes do corpo foram localizadas.

Via: R7


Compartilhar
Compartilha