Morre mais uma vítima de acidente na BR 262, em Domingos Martins(ES)

Elisângela Correa da Silva, 32 anos, faleceu no hospital. Dois filhos dela e um sobrinho também morreram.

Foi confirmada mais uma morte em relação ao grave acidente envolvendo dois carros e um caminhão no Km 80 da BR 262, por volta das 9h30 deste domingo (15), próximo a localidade de Pedra Azul, em Domingos Martins(ES). Além das três vítimas  que morreram no local, a motorista de um dos carros, Elisângela Correa da Silva, 32, faleceu no Hospital Jayme Santos Neves na manhã desta segunda-feira (16).

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Fiat Siena MST 5743, que seguia sentido Vitória com cinco pessoas dentro perdeu o controle da direção, invadiu a contramão e colidiu lateralmente, primeiro com o VW Gol GXO 6465 e, em seguida, com o caminhão ODL 2195.

Além de Elisângela, que dirigia do Siena, morreram os filhos dela, Kauã Alves Batista, 9, Bruna Raíssa Alves Batista, 14, e o sobrinho, Mateus Silva de Jesus, 14.

acidente_br_262_pedra_azul_tres_mortes

O irmão de Elisângela, identificado como Altair Correa da Silva, 29, sofreu ferimentos e foi encaminhado ao hospital de Venda Nova do Imigrante. Ele já foi liberado. O motorista do caminhão e do Gol nada sofreram e passam bem.

Com essas, sobe para seis o número de mortes na BR 262, na região de Domingos Martins, apenas neste fim de semana. Menos de 24 horas antes, Marcelo Guimarães, 41, morreu ao ter o Fiat Fiorino que dirigia atingido por uma picape Toyota Hilux, próximo ao trevo de Aracê.

Mortes recentes na rodovia

15 de dezembro

Marcelo Guimarães, de 41 anos, morreu em um acidente no km 87 da BR 262, próximo ao Trevo de Aracê, em Domingos Martins. Ele estava num Fiat Fiorino e foi atingido por um Toyota Hilux.

6 de outubro

Cinco pessoas morreram em um acidente entre um Palio e um Corolla. O acidente aconteceu no Km 60, em Marechal Floriano, 400 metros após a entrada do distrito de Araguaia. O Palio estava indo no sentido Marechal Floriano–Venda Nova do Imigrante, invadiu a contramão, rodou na pista e a traseira dele colidiu com um Corolla que vinha no outro sentido.

18 de outubro

Um motociclista morreu após se desequilibrar e cair na frente de uma carreta, na altura do Bairro Universal, em Viana.

Onde é perigoso

Km 0 ao Km 9,9
Descida da Segunda Ponte, em Cariacica, até Viana. Trecho com o maior número de acidentes: 745 e 3 mortes

Km 10 ao Km 19,9
Posto 13 de maio em Viana até o trevo: 179 acidentes e 3 mortes

Km 20 ao Km 29,9
Entrada do presídio até a Ponte do Rio Jucu: 91 acidentes e 3 mortes

Km 30 ao Km 39,9
Ponte do Rio Jucu ao Trevo de Domingos Martins: 66 acidentes e 4 mortes

Estrada abandonada e sem obra: investidores fogem da rodovia

Com um relevo acidentado e um traçado cheio de curvas, a BR 262 não assusta apenas quem trafega por ela. Investidores que disputam a tapas outros trechos rodoviários do país, bem menos problemáticos, se recusam a fazer obras ou gerir a estrada que liga o Estado a Minas Gerais.

A prova maior de que a via é o “patinho feio” das concessões” foi dada em setembro último, quando nenhum consórcio se mostrou disposto a ser o administrador da 262. Diante do fiasco do leilão, o governo federal já se propõe a retirá-la do pacote de concessões.

Na última semana, a ministra Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, confirmou a “grande probabilidade” de a rodovia ser duplicada na modalidade de obra pública, ou seja, sem cobrança de pedágio e com obras executadas via Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ou Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

“Estamos avaliando que, mesmo retirando trechos (reduzindo a extensão de estrada sob concessão), a tarifa (de pedágio) não iria ficar adequada. Então, são rodovias em que vamos fazer outro tipo de intervenção. Podemos migrá-las ao PAC para fazer obra pública. É uma grande probabilidade”, admitiu Gleisi, coordenadora do pacote de privatizações.

Até que o governo bata o martelo, o Dnit dá continuidade ao cronograma de duplicação do primeiro, de Vitória a Vitor Hugo.


Compartilhar
Compartilha