Estanho justifica aposta bilionária da Apple na Amazônia

Fornecedores da Apple foram forçados a procurar estanho em outro lugar após a Indonésia ter restringido as vendas da mineração ilegal.

Amazônia: a produção de uma mina na Amazônia cresceu de 1.100 toneladas em 2010 para 4.200 toneladas em 2013

Amazônia: a produção de uma mina na Amazônia cresceu de 1.100 toneladas em 2010 para 4.200 toneladas em 2013.

Santiago – Quando os preços do metal despencaram na véspera da crise financeira em setembro de 2008, a bilionária família Brescia, do Peru, pagou cerca de US$ 400 milhões para comprar o maior depósito de estanho do mundo na floresta amazônica.

  Agora sua companhia de mineração Minsur SA está sozinha entre as rivais asiáticas em sua maioria como única produtora de importância de 2014 que pode aumentar a produção de um metal cada vez mais demandado, pois é misturado na solda para circuitos dos smartphones. O estanho é um dos dois únicos metais industriais que ficam mais caros neste ano.

“A única companhia com uma base boa para se expandir é a Minsur”, disse César Pérez, diretor de pesquisa do BTG Pactual em Santiago. “A família Brescia tem um grande senso de oportunidade”.

Os produtores de estanho não podem acompanhar o crescimento da demanda, uma alegação que as indústrias do cobre e do ouro não podem fazer. O caso era diferente em 2008, quando o diretor executivo Fortunato Brescia e o presidente Pedro Brescia lideraram a empresa em uma oferta para comprar a mina de Pitinga no Amazonas, em um contexto de uma queda de 54 por cento no preço do metal entre maio e outubro daquele ano.

Graças às aquisições, o grupo industrial e bancário fundado no século 19 pelo imigrante Fortunato, avô do executivo como mesmo nome, se tornou o maior produtor mundial de estanho depois da Yunnan Tin Co., da China, e da Malaysia Smelting Corp.

Os Brescia compraram a Minsur, com sede em Lima, na década de 1970. Sua mina de San Rafael no Peru é a maior do mundo, e a mina de Pitinga tem os recursos mais conhecidos, mostra uma apresentação da empresa.

Agora a Minsur está se preparando para abastecer um mercado que, segundo previsões, sofrerá uma escassez global, de acordo com o grupo de produtores ITRI Ltd.

  “Os fatores fundamentais da indústria global são inigualáveis”, disse o CEO Juan Luis Kruger em entrevista por telefone de Lima, prevendo que a demanda continuará crescendo entre 3 por cento e 4 por cento por ano, ao passo que a oferta continuará restrita. “Continuaremos consolidando nossa liderança”.

Fornecedores da Apple Inc. e da Samsung Electronics Co. foram forçados a procurar estanho em outro lugar, pois a Indonésia, o maior produtor mundial, restringiu as vendas da mineração ilegal na ilha de Bangka em setembro.

As exportações da Indonésia cairão cerca de um terço para até 60.000 toneladas neste ano, disse Sukrisno, presidente da PT Timah, a maior produtora do país, em 24 de março em Jacarta.

A Minsur planeja aumentar em 25 por cento a produção de Pitinga neste ano e estabilizar o declínio da produção em San Rafael, disse Kruger, ex-vice-presidente executivo da Gold Fields Ltd. A produção da mina na Amazônia cresceu de 1.100 toneladas em 2010 para 4.200 toneladas em 2013, disse ele.

A mina subterrânea de San Rafael ainda possui cerca de sete anos de fornecimento e a Minsur planeja continuar perfurando locais perto do depósito para descobrir um ano de reservas todos os anos.

Preços triplicados

Os preços do estanho triplicaram nos últimos dez anos, pois a União Europeia baniu o uso de chumbo em dispositivos elétricos. A demanda também está aumentando para embalagens de alimentos, o segundo maior mercado final do estanho, conforme a consultoria de mineração CRU, com sede em Londres. A Barclays Plc prevê uma insuficiência de 5.000 toneladas para este ano.

“Durante o enorme excesso de oferta da década de 1980 muitas minas fecharam”, disse Peter Kettle, gerente de pesquisa do ITRI. “Durante um período muito longo os níveis de estoque registraram uma tendência descendente. Pode ser que não estejamos muito longe do ponto em que as coisas comecem a se ajustar muito fortemente”.

Via: EXAME


Compartilhar
Compartilha