• Home »
  • Brasil »
  • Cadela defende a casa do dono, põe ladrão para correr e é esfaqueada

Cadela defende a casa do dono, põe ladrão para correr e é esfaqueada

O bandido desistiu de invadir a casa após o ataque da cachorra.

cadela

Uma cadela da raça pitbull foi esfaqueada ao defender a casa dos donos de um ladrão, por volta das 10 horas desta sexta-feira (6), no bairro Alto Lage, em Cariacica(ES). A cachorra, chamada Savana, foi alvo de dois golpes de faca no peito. Segundo o dono da pitbull, o professor e bacharel em direito Fabrício Martins de Freitas, 32 anos, o animal teria avançado sobre um desconhecido que invadiu o quintal da residência, que é cercada por um muro baixo.

Dentro de casa estava a filha do professor, uma criança de três anos, e os sogros dele, um casal de idosos.

“Eu acredito que a Savana avançou contra o ladrão, que estava armado com uma faca, por isso foi ferida. Os golpes foram embaixo do pescoço, um local que indica que ela estava avançando sobre a pessoa”, destacou Fabrício, que também é especialista em Direito Ambiental.

O ataque da cadela fez com o bandido recuasse, após golpear o animal. Nenhum objeto da casa foi levado. Os sogros do professor encontraram a cachorra caída no quintal e ensanguentada.

“Logo que fui informado sobre o que tinha acontecido, corri para casa. Minha esposa também saiu do trabalho e está tentando tratar os ferimentos, já que não conseguimos encontrar nenhum veterinário que pudesse atender a Savana”, disse o professor.

Há três anos com a família, Savana chegou ainda filhote na casa da família de Fabrício. “Ela é um animal dócil e amável, mas quando vê estranhos pode avançar, caso eu ou algum integrante da minha família não peça para ela parar”, explicou.

A pitbull foi comprada pelo professor para servir de companhia e para vigiar a casa. No ano passado, bandidos também tentaram entrar na residência, mas não conseguiram ao se deparar com a cadela no quintal.

Para ele, não resta dúvidas de que Savana foi uma heroína. “O criminoso poderia ter feito meus sogros e minha filha reféns ou até algo pior. Não resta dúvida de que ela foi uma heroína e salvou minha família. Estamos chocados com o que ela sofreu, mas sei que foi para nos proteger”, completa o professor.

Confira o vídeo da entrevista com Fabrício Freitas:

Fonte: Gazeta Online



Compartilhar
Compartilha